terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Trazer uma alvorada mais feliz
Ou mesmo desvendar qualquer segredo,
A sorte se traduz em tempo ledo
E trago o quanto audaz já não mais quis,
O verso poderia em tal matiz
Moldar o que tentara em duro enredo
E sei do quanto às vezes mal concedo
Gerando o que tentara e por um triz.
Vestígios de um passado impertinente
Ou mesmo do que pude e me alimente
Nos trâmites diversos da esperança
O rústico momento se anuncia
E bebo da diversa fantasia
Que ao nada muitas vezes já nos lança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário