terça-feira, 8 de março de 2016

08/03

Não quero apresentar outro momento
E sei do quanto possa e levo além
O todo que tentara e neste bem
O medo se gerasse num tormento,

E quando na verdade o que ora tento
E sigo sem sentido o quanto tem
Vagando desde sempre em tal desdém
Marcando a direção do forte vento.

Não quero e nem pudera acreditar
Nos ermos de minha alma sonhadora
Que tanto quanto foi também já fora

Ousando noutro rumo a desenhar
Vestígios do passado e do presente
Trazendo o que o futuro ainda tente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário