domingo, 28 de agosto de 2016

28/08


Não tendo sequer cerca nem fronteiras
Os dias que puderam ser só nossos
Agora tão somente tais destroços
Aonde sem sentido algum esgueiras,
Fazendo de esperanças um momento
Enquanto se procura um acalanto
O mundo se desenha e não garanto
Sequer o que em verdade mesmo tento,
Resulto do que fora no passado
Apenas algo mais do que este nada
A luta se desenha emaranhada
Nos ermos que deveras sempre brado,
Resumos de outras sendas em comum,
Do quanto desejei, não vejo algum...

Nenhum comentário:

Postar um comentário