sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

24/02

São décadas e décadas, milênios,
Os tempos determinam mutações
E nelas outras tantas quando expões
Olhares imbecis dos quase gênios.
Apresentando a farsa de outra etapa
Que gera sobre o nada o mesmo nada
E trama a cada luta a desejada
Vontade que decerto nunca escapa.
Escarpas e montanhas, rocas, pedras,
E sei que no final em desalento
O passo que pudera e mesmo invento
Traduz o que deveras tanto medras.
Gerindo a vida como um pandemônio
Carrego dentro da alma o meu demônio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário