quinta-feira, 27 de julho de 2017

27/07



Agora que percebo ser possível
O verso com firmeza e mansidão
O tanto que vivera em explosão
Gerando nova fonte mais plausível,
O mundo mesmo sendo tão incrível
Dos sonhos não seria a tradução
E encontro a cada instante a negação
Marcando este cenário imprevisível.
O canto se repleta do passado
E vendo quando após a queda evado
Traçando o meu momento sem futuro,
Vivendo em galhardia o quanto pude
Sabendo da expressão agora rude
E nela todo o sonho eu configuro.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

26/07



Sequer raiar aurora no horizonte
Aonde em tom grisalho surge o dia,
A vida noutro tom já poderia
Traçar o que decerto em mim se aponte,
Ousando acreditar na viva fonte
E ter a cada passo esta ousadia
Enquanto a sorte dita a mais sombria
Verdade novamente desaponte,
O tempo se anuncia em tom sombrio
E sei do quanto possa e desafio
Gerando esta inconstância a cada passo,
Atento ao que teimasse no futuro
Apenas novo sonho configuro
E o todo que viria já desfaço.

terça-feira, 25 de julho de 2017

25/07

Não suporto esperar, eis a verdade,
E sigo contra a fúria das marés
Sabendo do que fomos e quem és
Meu mundo pouco a pouco se degrade,
E vejo mais distante a claridade
O olhar se desenhando de viés
A sorte desregrando traz galés
O amor seria além, necessidade.
Vivemos no abandono de outras eras
E sei do quanto quero e não esperas
Vagando em noite escura, solidão.
Porém se tu vieres; tudo muda
A vida se apresenta em rara ajuda
Marcando novamente este verão.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

24/07

Permitem cada raio deslumbrante
E nisto toda a sorte se desenha
Aonde com certeza a vida tenha
O quanto se aparenta a cada instante,
O tempo noutro fato se garante
E tanto nesta face; a sorte venha
Mantendo sempre acesa a brasa, a lenha
Que trace a intensa frágua fascinante,
Amar e ter no olhar além de tudo
O quanto poderia e não me iludo
Vertendo dentro da alma este infinito
Nesta alameda vivo em esperança
E tanto quanto tento não me cansa
E tenho mesmo mais que eu necessito.

domingo, 23 de julho de 2017

23/07

Desejo te buscar a cada instante
E nada impediria cada passo
Que tanto em esperança agora traço
E bebo noutro tempo fascinante,
O quanto poderia doravante
Deixando sem sentido o meu cansaço
Amor tomando em mim todo este espaço
O sonho mais audaz sempre garante.
Não quero nem pudera ser assim,
O tempo se anuncia e vejo o fim
E sinto tão somente a tua ausência,
Amar e ser feliz? Coincidência...
O todo se resume e vejo em mim
Apenas um cenário: impertinência...

sábado, 22 de julho de 2017

22/07

Sereia que se fez em claridade
Vagando nos meus dias mais diversos
Ousando ver em ti meus tolos versos
No quanto tanto amor agora invade,
E bebo sem certeza a liberdade
Deixando para trás dias perversos
E neste emaranhado vejo imersos
Os cantos onde a sorte não degrade,
Apenas sou decerto um sonhador,
Mas sei do quanto possa o imenso amor,
E nisto nada mais irá conter
O passo que adianto sem sequer
Tentar acreditar no que puder
E ver nos olhos teus, o meu prazer.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

21/07


Tanto amor adentrando meu sonho
E o verso que deveras não traria
Sequer o quanto deva em fantasia
Traduz o meu caminho mais tristonho,
Resumo de outras eras; recomponho
Meu passo noutro instante e não se via
A sombra mais audaz de uma alegria
Nem mesmo este momento ora risonho.
Cadenciando o passo sigo além
Do quanto poderia e sei que vem
Marcando com temor o quanto espero,
E vivo a sensação mais infeliz
Distante da que tanto outrora quis
Num tempo mais dorido e tão austero.