quarta-feira, 28 de junho de 2017

28/06

Levo os olhos no futuro
Que jamais conhecerei
O meu passo em pleno escuro
Mergulhando em dura grei,
No contrário salto o muro
E se possa não terei
O meu canto com apuro
E seguro eu seguirei?
Não versasse sobre o quanto
Seja a vida sem sinal
Do que possa em desencanto
Outro tanto ritual
No mergulho em que garanto
Este sonho virtual.

terça-feira, 27 de junho de 2017

27/06

Nada mais se vendo após
O que tanto pude ver
Ou sequer atando os nós
Concebesse este prazer
Que gerasse em bela foz
O que possa merecer
O momento segue atroz
E se faz em bem querer
O meu mundo segue o prumo
E deveras noutro espaço
No que tanto ora consumo,
Noutro canto me desfaço,
E se possa enquanto esfumo,
E seguindo em rude traço.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

26/06

Meu momento de ser teu
Ou ser tão que nada seja
O caminho que escolheu
Traduzisse uma peleja,
O cenário se teceu
Onde o quanto não mais veja
O momento se verteu
Na palavra que se almeja
Outro fato me envolveu.
Não mereço qualquer chance
Nem tampouco o que se tenta
A verdade que se alcance
Traduzisse uma tormenta
E meu passo sempre avance
Onde a vida segue lenta.

domingo, 25 de junho de 2017

25/06

O que fora antes latino
Na verdade não teria
O que tento e me alucino
Ou impeça tal sangria,
O que viva e não domino
Traduzisse o dia a dia
E sem ter quanto fascino
Noutro vão mergulharia.
O meu canto sem ter paz
O meu verso sem encanto
O que fora mais tenaz
Novamente em desencanto
Outra voz já se desfaz
E promete um vago canto.

sábado, 24 de junho de 2017

24/06

Ao momento mais versátil
Outro infausto recomeça
O meu sonho tão retrátil
No vazio já tropeça
Sem ter nada que inda trate-o
O meu canto diz promessa
Réptil solto neste pátio
O que fora não tem pressa.
Jamais quis algum alento
E se pude não queria
Versejando mais atento
Onde queira a fantasia
Expressando o pensamento
Na diversa hipocrisia.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

23/06

Levo os sonhos por aí
E se tento alguma cena
No final me consumi
Quando a sorte fosse plena
O que queira e já perdi
Do passado me condena
E se o fato eu resumi
Quanta vida se serena.
Apresento-me aos senhores
Como fosse um nu bufão
Entre sonhos opressores
Ou momentos que virão
Traduzindo sonhadores
Os meus dias desde então.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

22/06

Eu jamais acreditei
Na verdade sem medida
O que possa e sendo lei
Contraria a própria vida
Tantas vezes mergulhei
Neste mundo sem saída
E se agora desejei
No final nada divida.
O meu passo dita o prazo
E a verdade continua
Noutro ser que quando embaso
Marca as tramas desta lua
Que deveras dita ocaso
Noutro acaso segue nua.